9 de dezembro de 2007

ALINNE MORAES : 'A ARTE ME SALVA EM TODOS OS ASPECTOS'

Share & Comment
9 de dezembro de 2007


Não se engane: aquele olhar de princesa e o jeitinho inocente são apenas disfarces, porque Sílvia, personagem de Alinne Moraes em "Duas Caras", vai se revelar uma vilã bem perversa. Para a atriz, o papel mostra que a patricinha é, na verdade, uma pessoa bipolar. "O perfil dela é muito aberto. Queria saber se ela era mocinha, vilã ou meio termo, não tive uma resposta até agora", comenta Alinne, que confessa ter encontrado o seu lado mau aos cinco anos. "Matei um coelhinho, mas não sei o que aconteceu. Chorei muito. Não foi por maldade", conta, sorrindo.
Há dois anos, a atriz resolveu dar uma parada com as novelas. Tirou férias da TV, estudou teatro, começou a fazer balé e viajou para Paris, de onde trouxe a idéia do visual de franjinha. "Todo mundo estava usando esse perucão", brinca.
Aos 24 anos, Alinne se diz mais amadurecida e capaz de praticar a "arte" de falar sobre a sua vida pessoal sem se expor demais. "Consigo sair do lugar comum de dizer: 'Não falo sobre a minha vida pessoal, mas sem extrapolar o meu limite'. Falo, mas procuro não expor a pessoa que esteja ao meu lado", no caso de Aline, é o ator Sergio Marone com quem namora há um ano.

EPN - Em uma recente entrevista, você reclamou que era desengonçada para dançar... O balé já lhe deu mais segurança para dançar à noite?
ALINNE MORAES - Muito. Já arrumei até uns novos passinhos. Sempre tive problema de postura porque uso salto desde muito nova. Agora tenho uma melhor consciência corporal.

EPN - E na maneira de se vestir? Você adquiriu uma postura mais clássica também?
AM - Sempre gostei muito de moda, mas tenho essa coisa mais básica. Gosto do chinelinho, do confortável sempre. Mas, depois das férias em que viajei para a França, mudei um pouco o olhar para estilo. Tenho investido um pouco mais e já saio à noite mais produzida. Estou tirando o estilo menininha para o de uma mulher de 24 anos.

EPN - O seu namorado também diz estar vivendo um período de amadurecimento. Acha que essa convivência de vocês é o que está fazendo com que esse 'crescimento' se concretize?
AM - Quero deixar claro que não moramos juntos, só estamos namorando e vivendo uma fase de transformação que é natural em todo ser humano. Temos a tendência de procurar no outro o seu próprio eu. São as afinidades. Mas acredito que essa consciência venha com a idade e nós temos a mesma faixa etária.

EPN - Já pensam em casamento?
AM - Estamos curtindo muito essa fase de namoro, penso muito no agora. O presente a gente vai vivendo. Tudo tem o seu tempo. Estou longe da minha família morando no Rio e investindo no meu trabalho de atriz. Quero me aperfeiçoar muito mais.

EPN - Você diz que não se importa em falar da vida pessoal, mas evita falar de relacionamento...
AM - Eu falo, mas não me aprofundo. O que eu vivo na minha casa poucas pessoas têm acesso.

EPN - Tem dificuldade em impor esse limite?
AM - É complicado porque a gente trabalha com um meio que expõe demais, mas a gente tem que fincar o pé no chão. Se minha mãe fosse atriz, por exemplo, eu jamais falaria da nossa relação, porque ela seria uma pessoa pública também. Como namoro um ator, não me sinto no direito de expor a vida dele.

EPN - É complicado lidar com egos inflados?
AM - A gente vive no meio de muita vaidade. Trabalho desde os 14 anos como modelo e me via em capas de revista. Quando fui fazer 'Coração de Estudante' já senti nos primeiros capítulos o poder da telenovela. Saí na rua e as pessoas gritavam: 'Aline eu te amo'. Me perguntei: 'Como assim? Se a gente não se centrar, pira mesmo. Essa coisa de estar na lista das mais sexy então... O que é isso? Existem mulheres lindíssimas, mas existem as 'do momento'. O que sou na TV não traduz a minha realidade.

EPN - E o que traduz a sua realidade?
AM - Quero envelhecer atuando e lúcida. Vou estudar, quero fazer as coisas que gosto, com quem gosto e não entrar na paranóia de que sou 'a atriz'. Falo da minha vida pessoal sim, mas aprendi a me preservar. Assumi as rédeas e aprendi a cuidar da minha imagem.

EPN - Esse "pé no chão" te ajuda a superar traumas como a morte do seu pai (morreu há três meses)?
AM - A arte me salva em todos os aspectos. No meu caso, a primeira cena que tive que fazer em ''Duas Caras' a Sílvia recebia a notícia de que o pai havia morrido. Eu refiz essa cena na minha cabeça e revivi um momento que tinha acabado de passar. Só me acrescentou e me ajudou a amadurecer porque descobri que outras pessoas passam por isso de outras maneiras. Isso me tocou profundamente, pois houve uma troca. Aprendo muito com todas as personagens que faço.

(Jornal Pequeno) 
Tags:

0 Comentários:

 

Mural de Recados

Fan Page no Facebook

Projetos

→ Rock Story (Novela) - No ar
→ 'Os Saltimbancos Trapalhões' (Em Cartaz)
→ 'A Paixão Segundo João' (Cinema)

Tumblr

Instagram Oficial @AlinneMoraes

Copyright © Alinne Moraes Fãs | Designed by Templateism.com