17 de julho de 2011

Entrevista| Famosa e bem-sucedida, Alinne Moraes não perde as raízes simples de Sorocaba

Share & Comment

A dona está demais. Assim como nos versos da música de Chico Buarque que dá título a esta reportagem, Alinne Moraes já começou a balançar os cabides e fazer as persianas se enroscarem por causa de Lili, a cobiçada manicure da Penha que não tem vergonha de seu suburbano coração na novela ‘O Astro’. Mas a última visita, quanto tempo faz? “Para o público, talvez eu ainda esteja associada a Luciana, de ‘Viver a Vida’, mas me livrei dela há muito tempo”, jura ela, que encarnou a modelo tetraplégica ano passado.

Acostumada a interpretar mulheres bem vestidas e supermaquiadas, hoje a atriz não leva nem 10 minutos para se preparar e está adorando mudar do vinho para a água, voltando às origens. “Quando saí de Sorocaba (SP) e me mudei para o Rio, tinha 17 anos e fui morar no Méier. Fiquei seis meses lá. Ia para o Projac de ônibus”, lembra ela, que não precisou fazer laboratório  para compor a personagem.
“Eu sei fazer unha, sempre fiz as minhas, as das minhas amigas. Eu vi uns vídeos da Elizabeth (Savalla, que interpretou sua personagem na primeira versão da novela, em 1978). Naquela época, uma mulher de atitude usava uma calça com a cintura mais alta para dar um ar de seriedade. Mas a suburbana de hoje, que mora na Penha, usa calça da Gang, cabelão solto, vestidinho curto e é sensual”, define Alinne.

image

A única dificuldade que essa paulista confessa enfrentar é em relação ao sotaque. “Faço fono (audiologia) há anos, é um problema. Preciso pegar o jeito malandro, bem carioca. Quem tem me ajudado nisso é o Humberto (Martins), que faz o meu cunhado, o Neco. Busquei o mesmo estilo dele. Comecei a ouvir uns pagodes. Até andei de metrô, coisa que não fazia há anos”, revela Alinne, que, por conta da fama, precisou se privar desse meio de transporte. “Imagina, se eu der autógrafos e tirar fotos com todo mundo, vou acabar me atrasando, levando um dia inteiro”, diz.
Por isso mesmo que, quando quer ir a algum lugar bem movimentado, Alinne precisa montar um disfarce. “Não gosto de chamar desse jeito. Mas uma vez eu queria ir à Rua da Alfândega comprar umas coisinhas de festa infantil e botei os óculos de grau, o cabelo para dentro do boné. Consegui andar com calma, parar em todas as lojas. Afinal de contas, eu sou uma pessoa normal, também deixo o carro parado no estacionamento”, argumenta ela.

image
Mas, apesar da conta bancária ter dado um salto e a popularidade estar em alta, a atriz jura que não renega suas origens. “Quando vou gravar na Penha ou no metrô, sinto uma nostalgia. O subúrbio tem um pouco de Sorocaba, a coisa de você botar as cadeiras na calçada, conversar com a vizinha. Lembro de quando fui fotografar no Japão. Eu estava com febre, nevava, e usava a minha bota de Sorocaba, com a sola já quase abrindo. Não tenho vergonha disso. Tem gente que quer abafar esse passado”, compara Alinne.
Na contramão das celebridades que se expõem aos flashes na badalação da Rua Dias Ferreira, no Leblon, a atriz revela que prefere circular por outros bairros. “Gosto da Lapa, de Santa Teresa, as pessoas são mais alternativas, gosto de transitar, observá-las. Fazem muito mais parte da minha energia e núcleo de amigos. O Leblon é muito vitrine”, desdenha ela, que tenta levar uma vida mais discreta, mas nem sempre consegue.
image“Eu fotografo desde os 12 anos. Se vejo uma lente, eu me posiciono. Não consigo ser atriz e fingir que não tem uma câmera ali. Prefiro ser de verdade. Se eu só tiver mentiras, vou transformar a minha arte numa”, avalia ela.
Embora tente se preservar ao máximo, Alinne, uma adepta da conversa olho no olho, não se esquiva de comentar o início do namoro com Felipe Simão, ex de Luana Piovani, notícia que reverberou no último Carnaval. “Não ficou nada complicado, não. Não vivo de fofocas. Nenhum problema encontrar a Luana”, assegura. “Fazemos até balé juntas”.

Lili vai virar taxista e gostar de um ‘coroa’
Nos próximos capítulos de ‘O Astro’, Lili, a manicure vivida por Alinne Moraes, vai comer o pão que o diabo amassou nas mãos do cunhado, Neco (Humberto Martins). “Depois de ele tentar prostitui-la, Neco vai assediá-la mais e mais até que a Lili não vai aguentar e vai pedir as contas no salão. Ela não consegue dividir esse problema com ninguém e vai sair de lá muito por baixo. Depois, vai trabalhar em um dos supermercados do Salomão Hayalla (Daniel Filho)”, adianta Alinne.
“Lá, vai ser diferente. Ela vai passar a sentir uma afeição pelo Salomão, uma coisa que ela nem sabe direito. A referência dela de homem é o Neco, que é um filho da mãe. Vai haver um encantamento dos dois. Mas vários acontecimentos vão impedir um romance. Na verdade, a Lili vai sofrer muito com esses boatos sobre o namoro. O grande amor dela é o Márcio (Thiago Fragoso), filho dele, mas isso é bem depois. Antes, ela vai virar taxista”, diz.

Fonte

Tags: , , , ,

0 Comentários:

 

Mural de Recados

Fan Page no Facebook

Projetos

→ Rock Story (Novela) - No ar
→ 'Os Saltimbancos Trapalhões' (Em Cartaz)
→ 'A Paixão Segundo João' (Cinema)

Tumblr

Instagram Oficial @AlinneMoraes

Copyright © Alinne Moraes Fãs | Designed by Templateism.com